O que está por trás do aumento mundial dos ataques à liberdade religiosa?

Um estudo anual sobre as restrições às religiões mostra uma ligeira reversão de uma tendência descendente

estudo anual feito pelo Pew Research Center descobriu que em 2015 (o ano mais recente para o qual os dados estão disponíveis) a liberdade religiosa sofreu retrocesso em todo o mundo. Pela primeira vez em três anos, as restrições governamentais à religião aumentaram.aleteia

Mais preocupante, segundo o relatório, é o efeito combinado das restrições governamentais e das ações sociais contra os grupos religiosos. Em todo o mundo, o estudo descobriu que 40% dos países foram listados na lista dos países menos hospitaleiros para a liberdade religiosa – isso é superior aos 34% em 2014.

Entre os 25 países mais populosos do mundo, Rússia, Egito, Índia, Paquistão e Nigéria apresentaram os mais altos níveis combinados de restrições governamentais à liberdade religiosa e às hostilidades sociais contra a prática da religião.

Quem está diminuindo a liberdade religiosa?

O aumento mais acentuado das restrições governamentais foi encontrado na África subsaariana, mas a região do Oriente Médio e do Norte da África continua a gozar da duvidosa distinção de ter o maior número de países (95%) a usar a força do governo ou o assédio contra grupos religiosos. Essa região também tem visto o maior aumento nas restrições governamentais contra a liberdade religiosa desde 2007.

Também notável foi o aumento das restrições governamentais à religião na Europa. De acordo com o estudo, 27 países europeus (60%) viram um aumento no assédio do governo a grupos religiosos em 2015 – comparado a 17 países em 2014.

O estudo também relatou um aumento nas hostilidades sociais contra grupos religiosos na Europa. O número de países que assistiram ao assédio por atores não governamentais contra os judeus aumentou (de 32 para 33), como fez contra os cristãos (de 17 países para 21) e mais dramaticamente contra os muçulmanos (de 26 para 32).

O que está por trás das crescentes ameaças contra a religião na Europa?

Dois países na Europa – França e Rússia – foram apontados pelo relatório, cada um tendo mais de 200 casos de força do governo contra grupos religiosos. No caso da França, foi principalmente devido à punição de indivíduos por violar a proibição de usar o véu em edifícios públicos. A Rússia, segundo o estudo, era culpada de perseguir pessoas, como as Testemunhas de Jeová, pelo exercício da religião.

Muitos dos incidentes de restrições governamentais na Europa foram em resposta à crise de refugiados do continente, de acordo com o estudo. As declarações do primeiro-ministro húngaro Viktor Orban em 2015, críticas a uma política que daria boas-vindas aos imigrantes muçulmanos, são citadas como um incidente de assédio do governo.

A rejeição da Eslováquia às quotas europeias de refugiados e a preferência por refugiados cristãos também é mencionada no relatório como um exemplo de restrição religiosa.

A resposta da Europa aos ataques terroristas (mais notavelmente os ataques na França nos escritórios da revista Charlie Hebdo e na sala de concertos Bataclan) é vista como uma evidência de uma restrição à liberdade religiosa. O relatório observa que o ataque de 2015 da polícia alemã a uma mesquita, por causa de falsos rumores de ser uma fonte de armas para um ataque terrorista planejado, contou como força usada contra um grupo religioso.

A Suíça estava entre os quatro países do mundo com o maior aumento das hostilidades sociais (os outros foram o Níger, as Filipinas e o Nepal). Isto foi devido a um aumento de incidentes antissemitas e anti-islâmicos, incluindo um ataque a um judeu ortodoxo e a profanação de túmulos muçulmanos.

O que está por trás da perda da liberdade religiosa na África subsaariana? 

A África subsaariana foi citada como tendo o maior aumento na força do governo e nas hostilidades sociais contra grupos religiosos devido ao grupo extremista baseado no grupo Boko Haram da Nigéria, de acordo com o relatório.

Os ataques de Boko Haram, que matou dezenas de pessoas em 2015, são considerados “hostilidades sociais” pelo estudo, e a resposta do governo a eles (incluindo a proibição do véu islâmico e burca, para limitar o risco de explosivos ocultos) contribuíram para o aumento do nível de restrições governamentais.

O que falta no relatório?

O relatório reconhece prontamente que a Coréia do Norte, que ele chama de “o mais repressivo [governo] do mundo”, não está incluída porque sua sociedade está fechada a pessoas de fora.

Também admite alguma influência. Paradoxalmente, um país mais livre pode encontrar mais incidentes de repressão do governo do que um repressivo, como é observado no relatório:

Somente quando se trata de violência religiosa e intimidação na sociedade, as fontes relatam mais problemas nos países de livre acesso do que nos de acesso limitado.

Ao medir países uns contra os outros, o estudo nem sempre oferece o quadro completo. Os Estados Unidos, por exemplo, foram vistos como tendo mais incidentes de hostilidades sociais contra a religião do que foram registrados pelo regime repressivo no Irã.

Como pode ser? É possível que a sociedade iraniana seja mais hospitaleira a outras religiões do que a sociedade americana? Não é provável. No Irã, a população não muçulmana caiu drasticamente desde a revolução iraniana. A população judaica no Irã caiu de 80.000 para 9.000 naquele tempo. Isto poderia ser o resultado das dificuldades de relatar dados confiáveis ​​em um regime repressivo. Por outro lado, talvez, se um regime é suficientemente repressivo e conseguiu criar uma cultura religiosa quase monolítica, os extremistas religiosos não veem razão alguma para agir contra as religiões minoritárias.

Conclusão

As descobertas do estudo fornecem uma documentação útil e muito necessária da ameaça à liberdade religiosa que continua a existir em todo o mundo. A reviravolta na repressão governamental e social da religião na Europa serve como lembrança do impacto que o terrorismo assume sobre uma sociedade livre. Confrontado com um horrível ano de ataques terroristas, as liberdades que a Europa procura proteger são sacrificadas, de acordo com os resultados deste relatório.

 

(Fonte : aleteia.org)

 

Share