Apostolado da Oração

P_3_ApostoladoMovimento eclesial, que procura viver a espiritualidade apostólica e Eucarística, brotada do Sagrado Coração, fundamentada na releitura do Mistério da Paixão de Jesus.

Assim, na escola do Coração de Jesus, repousa seu programa de vida, como missionários e discípulos de Cristo, rumo à santidade, nos seguintes momentos:

• Contemplação do Coração de Jesus, suas dores no alto do Calvário, expressão máxima de Amor pela humanidade.
• A companhia de Maria, Mãe de Jesus, Casa de Ouro, que em seu silêncio, disponibilidade impar, acolheu o Verbo Encarnado.
• O movimento da abertura do lado de Cristo, revelador de nossa redenção e do qual saiu Sangue e Água, que marca o nascimento da Igreja e nos recorda a presença vital do Espírito Santo.

A vitalidade do Apostolado da Oração encontra fundamento na Bíblia tanto no Antigo como no Novo Testamento. Lembramos do Evangelho de S.João, presente na liturgia da Missa do Sagrado do Coração de Jesus: “Contemplarão Aquele que transpassaram”. Acresça-se a fala de Jesus, referindo-se ao seu coração e repetida diariamente: “Jesus manso e humilde de coração, fazei o nosso coração semelhante ao Vosso” (MT 11,29)

O Apostolado da Oração confirma sua presença na Igreja pela Vida de Oração, pela participação na Eucaristia e pela inserção na vida comunitária da Paróquia, atuando na pastoral de conjunto. A eficácia da vida de Oração encontra seu cerne no Oferecimento diário ao Pai, em íntima união com JESUS, associado ao seu Sacrifício Redentor, renovado e continuado em cada celebração eucarística, em Reparação pelos pecados da humanidade.

Certo é, pela Eucaristia, pelo Coração de Jesus, pelas mãos de Maria, chegamos ao Pai, e com o Pai, participamos da COMUNIDADE, divulgando a devoção do Sagrado Coração de Jesus, nos encontros eucarísticos e realizando entronizações das imagens ou estampas do S C de Jesus e de Maria.

O Apostolado da Oração encontrou respaldo na Vida da Igreja, na manifestação dos sucessores de Pedro, nossos papas, em documentos basilares que impulsionaram seu crescimento. Seus membros trazem nos ombros uma fita vermelha, lembrando o sangue de Cristo, identificada com o bentinho – coração e a medalha em forma de cruz.

Origem da devoção

A devoção ao Sagrado Coração tem sua origem na própria Sagrada Escritura. O coração é um dos modos para falar do infinito amor de Deus por você. Este amor chega a seu ponto alto com a vinda de Jesus.

A devoção ao Sagrado Coração aparece em dois acontecimentos fortes do evangelho: o gesto de São João, discípulo amado, encostando a sua cabeça em Jesus durante a última ceia (cf. Jo 13,23); e na cruz, onde o soldado abriu o lado de Jesus com uma lança (cf. Jo 19,34). Em um temos o consolo pela dor da véspera de sua morte, e no outro, o sofrimento causado pelos pecados da humanidade. Estes dois exemplos do evangelho nos ajudam a entender o apelo de Jesus, feito em 1675, a Santa Margarida Maria Alacoque:

“Eis este coração que tanto tem amado os homens. Não recebo da maior parte senão ingratidões, desprezos, ultrajes, sacrilégios, indiferenças…

Eis que te peço que a primeira sexta-feira depois da oitava do Santíssimo Sacramento (Corpo de Deus) seja dedicada a uma festa especial para honrar o Meu coração, comungando neste dia e dando-lhe a devida reparação por meio de um ato de desagravo, para reparar as indignidades que recebeu durante o tempo em que esteve exposto sobre os altares.

E prometo-te que o Meu Coração se dilatará para derramar com abundância as influências de Seu divino Amor sobre os que tributem esta divina honra e que procurem que ela lhe seja prestada.”

O papa João Paulo II sempre cultivou esta devoção, e a incentivava a todos que desejassem crescer na amizade com Jesus.

Aparições

O Sagrado Coração de Jesus apareceu a Santa Margarida Maria Alacoque, jovem religiosa da Ordem da Visitação, para transmitir sua mensagem de misericórdia e confiança, expressa no coração humano e divino do Verbo Encarnado. O Culto ao Sagrado Coração de Jesus obteve, a partir de então, grande impulso e espalhou-se por toda a Igreja.

Santa Margarida Maria, que recebeu a missão de espalhar pelo mundo a devoção ao Sagrado Coração ofendido pela ingratidão dos homens, foi incompreendida e perseguida, até que a Providência colocou em seu caminho o jesuíta São Cláudio La Colombière, que lhe deu orientação segura e conseguiu fazer com que sua mensagem começasse a ser vista com outros olhos. Canonizada em 1920, sua festa é celebrada no dia 16 de outubro. .

Promessas

* Eu lhes darei todas as graças necessárias para seu estado.
* Eu darei paz às suas famílias.
* Eu as consolarei em todas as suas aflições.
* Eu lhes serei um refúgio seguro durante a vida, e sobretudo na hora da morte.
* Eu lançarei abundantes bênçãos sobre todas as sua empresas.
* Os pecadores acharão, em meu coração, a fonte e o oceano infinito de misericórdia.
* As almas tíbias tornar-se-ão fervorosas.
* As almas fervorosas se elevarão a uma grande perfeição.
* Eu mesmo abençoarei as casas onde se achar exposta e honrada a imagem do meu coração.
* Eu darei aos sacerdotes o poder de tocar os corações mais endurecidos.
* As pessoas que propagarem esta devoção terão para sempre seu nome inscrito no meu coração.
* Darei a graça da penitência final e dos últimos sacramentos, aos que comungarem na primeira sexta-feira de nove meses seguidos.

Consagração

– Eu (diga seu nome), Vos dou e consagro, ó Sagrado Coração de Jesus Cristo, minha vida, minhas ações, penas e sofrimentos,para não querer mais servir-me de nenhuma parte de meu ser, senão para Vos honrar, amar e glorificar.
– É esta a minha vontade irrevogável: ser todo Vosso e tudo fazer por Vosso amor, renunciando de todo o meu coração a tudo quanto Vos possa desagradar.
– Tomo-Vos, pois, ó Sagrado Coração, por único bem de meu amor, protetor de minha vida, segurança de minha salvação, remédio de minha fragilidade e de minha inconstância, reparador de todas as imperfeições de minha vida e meu asilo seguro na hora da morte.
– Sede, o Coração de bondade, minha justificação diante de Deus, Vosso Pai, para que desvie de mim Sua justa cólera.
– Ó Coração de amor, deposito toda a minha confiança em Vós, pois tudo temo de minha malícia e de minha fraqueza, mas tudo espero em Vossa bondade!
– Extingui em mim tudo o que possa desagradar-Vos ou que se oponha à Vossa vontade.
– Seja o Vosso puro amor tão profundamente impresso em meu coração, que jamais possa eu esquecer-Vos nem separar-me de Vós.
– Suplico, por todas as Vossas finezas, que meu nome seja escrito em Vosso Coração, pois quero fazer consistir toda a minha felicidade e toda a minha glória em viver e morrer como Vosso escravo. Amém. (Santa Margarida Maria)