Rumo aos 50 anos: Período de mudança 1987-1995

Se nos primeiros 18 anos de paróquia (1970-1987) tivemos apenas 2 párocos (Pe. Vendelino e Pe. Raul), no período de 1987 a 1995, tivemos muitas mudanças, com três diferentes párocos em apenas 8 anos.

PE. FRANCISCO WLOCH CONSEGUE A DOAÇÃO DO TERRENO PARA A IGREJA DO KOBRASOL

Em agosto de 1987, tomava posse o 3º pároco de nossa história, Pe. Francisco de Assis Wloch. Natural de Itajaí e conhecido por todos como Pe. Chico, ele vinha de Garopaba, onde havia sido pároco por 11 anos. Curiosamente, ele já havia estado na paróquia, em 1973, como seminarista, trabalhando durante um final de semana com Monsenhor Vendelino, o 1º pároco. Em sua primeira celebração no Kobrasol, assumiu o compromisso de celebrar uma missa todos os domingos, às 17 horas.

Junto com as lideranças do Kobrasol, Pe. Chico deu continuidade ao trabalho iniciado por Monsenhor Vendelino e intensificado por Pe. Raul, na busca para conseguir a doação do terreno para a construção da igreja, fazendo visitas ao prefeito e um intenso trabalho junto aos vereadores. O trabalho deu resultado e o projeto de doação do terreno foi aprovado pela câmara de vereadores no dia 03/12/1987, com 10 votos a favor e 3 contrários, após duas horas e meia de sessão. No local onde hoje é a Igreja do Kobrasol, havia um hangar (garagem para aviões) desativado, usado na época em que o Aeroclube de Santa Catarina funcionava naquela região, cujo campo de pouso se tornou depois a Avenida Central.

Sua passagem pela paróquia também foi marcada pela organização das pastorais e pela elaboração do Plano Paroquial de Pastoral, que tinha um lema que ainda hoje serve para a paróquia: “Juntos Frutificaremos”, numa referência a necessidade de união entre as comunidades e as pastorais. Neste período aconteceu a primeira assembleia paroquial (05 a 07/01/1988) e a criação do Conselho Paroquial de Pastoral.

Novos movimentos surgiram na paróquia neste período: a Legião de Maria, fundada em Campinas, com o nome de Nossa Senhora Estrela da Manhã e a Pastoral Familiar, organizada por alguns casais da paróquia. Existiam três grupos jovens na paróquia: no Kobrasol, o grupo Ressurreição, pertencente ao Movimento Emaús, e em Campinas, o Grupo Missionário Nova Geração e o Grupo de Oração Corrente Divina, este ligado a Renovação Carismática que já funcionava em Campinas desde 1984.

Nas celebrações dos finais de semana, Pe. Chico contava com a ajuda do Pe. Henrique Cervi, conhecido pela rapidez de suas missas. Pe. Chico também teve ajuda de Dom Vito Schlickmann, ainda como padre, celebrando missas nos finais de semana, entre abril e agosto de 1988.

No final de 1988, Dom Afonso Niehues nomeou Pe. Chico para a Coordenação Pastoral da Arquidiocese, que teve que deixar a paróquia. A comunidade não gostou muito disto, pois Pe. Chico estava fazendo um ótimo trabalho. Deixou muitos amigos por aqui.

Desde o dia 1º de janeiro deste ano, Pe. Francisco de Assis Wloch é pároco e reitor da Paróquia Nossa Senhora de Azambuja, em Brusque.

Em agosto vamos conhecer um pouco do trabalho do padre Vertolino Silveira, que foi paróco entre 1988 e 1991. Não esqueça: 11 de agosto. Até lá!

Leia mais

Share